Crítica | O Rei do Show

Imagem relacionada

O Rei do Show era um filme que desde a primeira vez que assisti ao trailer na sala de cinema, e também em todas as outras vezes, falava para mim mesma “Quero assistir esse filme!”. Enfim assisti e se tem uma palavra, ou melhor, expressão, para mostrar o que estou sentindo é: WOW

☆Sinopse Oficial☆

De origem humilde e desde a infância sonhando com um mundo mágico, P.T. Barnum (Hugh Jackman) desafia as barreiras sociais se casando com a filha do patrão do pai e dá o pontapé inicial na realização de seu maior desejo abrindo uma espécie de museu de curiosidades. O empreendimento fracassa, mas ele logo vislumbra uma ousada saída: produzir um grande show estrelado por freaks, fraudes, bizarrices e rejeitados de todos os tipos.

☆☆☆

Não vou dizer que o “pano de fundo” da história é inédita, afinal é possível perceber muito fácil muitas categorias de uma jornada do herói no desenrolar e crescimento do protagonista P. T. Barnum, é até possível adivinhar muito do que acontecerá na trama antes de acontecer de fato,  mas isso não fez com que estragasse o filme! Tudo funcionou! O previsível funciona imagino que muito pelos personagens, porque você espera que eles não sofram, que tudo dê certo, te deixando apreensivo por antecipação, e quando os desafios aparecem, te deixa realmente com medo. Também posso dizer que a jornada à conclusão é cativante. E quando finalmente chegamos ao ato final, é como um presente, é como uma aventura terminando.

As atuações no geral são incríveis. É claro que tem aqueles que parecem atuar do mesmo jeito em todos os filmes (estou falando de você, Zac Efron), mas Hugh Jackman já compensa por todos. Menção honrosa para Keala Settle, a “Mulher Barbada”, que não só tem uma voz incrível, como achei que deu personalidade para sua personagem e também para as atrizes mirins que fizeram as filhas de P. T. Barnum, que pareciam estar totalmente a vontade em seus papéis.

Agora vamos falar de uma das partes mais importantes, se não a mais: as músicas. Não teve uma música sequer que desgostei, muito pelo contrário, todas são espetaculares. Todas são carismáticas, profundas, com uma batida que faz você querer bater os pés e as mãos para acompanhar o ritmo (vou admitir que fiz isso hehe). Achei interessante também os diversos ritmos presentes, tiveram algumas até mesmo puxadas para o “pop”. E para acompanhar as músicas, não poderia faltar coreografias que casaram totalmente com o ritmo e história. A impressão que tive era de estar assistindo a um musical ao vivo, queria muito poder levantar da cadeira e bater palmas!

Agora temos a mensagem que ele traz. Como a “Mulher Barbada” diz, P. T. Barnum deu uma chance para aqueles que eram marginalizados, permitiu que eles fossem vistos como iguais e criassem uma família. Eles se tornaram pessoas respeitadas. E como o Crítico de Teatro fala, é “uma celebração à humanidade”. Foi essa a mensagem que chegou para mim ao ponto de ao começar os créditos, me emocionei, me veio o sentimento de ter visto um filme incrível e como posso dar nota menor que 5/5 estrelas? Não é possível! Espero ter a oportunidade de assistir ao menos mais uma vez no cinema e vou acabar comprando o DVD quando começar as vendas ❤

Deixo aqui a trilha sonora, que estou escutando em loop enquanto escrevo esta crítica:

Pretendem assistir? Já assistiram? Me contem o que acharam ☆

Até logo o/

Instagram ♥ Filmow ♥ MyAnimeList

Resultado de imagem para the greatest showman gif

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s